paulo freire, 1964

Há muitos documentos, objetos e depoimentos interessantes expostos na Ocupação Paulo Freire, atualmente em cartaz no Itaú Cultural, em São Paulo. Um deles, no entanto, me tocou em particular.

Trata-se de uma portaria do Ministério da Educação e da Cultura datada de 16 de março de 1964 — ou seja, nos últimos dias do governo João Goulart, que, como sabemos seria alvo de um golpe por militares e empresários dali a duas semanas. Por meio dela, ficava não só instituída a Coordenação Nacional do Programa Nacional de Alfabetização como era designado o educador Paulo Freire para a sua direção nacional.


No ano anterior ocorreu a famosa “experiência de Angicos”, pela qual uma equipe liderada por Paulo Freire promovera, em menos de dois meses, a alfabetização de cerca de 300 adultos. A proposta de educação freireana, como pensada e praticada em Angicos, formaria a base de um programa de alfabetização instituído já em janeiro de 1964 — pelo qual se previa um rigoroso e sério combate ao analfabetismo em todo o território nacional.

Naqueles anos o voto era proibido aos analfabetos — mais de um terço da população adulta brasileira, contudo, era analfabeta e, portanto, proibida de exercer o direito mais elementar das democracias liberais. Uma inédita aceleração nas taxas de alfabetização levaria à incorporação de uma enorme massa populacional — predominantemente pobre e negra — à condição de eleitora. Tratava-se, é claro, de uma parcela de eleitores que poderia alterar de forma irreversível o status quo eleitoral.

Tal afronta às posições de monopólio de poder de nossas velhas elites revelou-se, é claro, inaceitável. Como sabemos, tropas mobilizadas no dia 31 de março promoveriam a queda do governo legítimo de João Goulart no dia 1º de abril — dia da mentira.

O documento exposto na Ocupação — aquele contendo a portaria do dia 16 de março que apontava Paulo Freire como coordenador nacional de alfabetização —, indica também a data de sua publicação no Diário Oficial: o mesmo 1º de abril de 1964. É significativo que a data escolhida por empresários e militares para derrubarem a democracia brasileira e instaurarem aquele regime de ódio e violência que duraria 21 anos tenha sido justamente o dia em que Freire iniciaria seu projeto de alfabetização do país.


Tal designação foi provavelmente tornada sem efeito dias depois. Paulo Freire se viu obrigado a se exilar no Chile — onde escreveria sua obra mais célebre, Pedagogia do Oprimido, que viria a ser publicada no Brasil apenas vários anos depois. Paulo Freire, talvez o único brasileiro entre os autores mais todos do mundo, só retornaria ao país em 1980.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.