imagens da quarentena (27/3): panelas

27 de março de 2020, quinto dia da quarentena

Bater panelas em janelas sempre nos pareceu uma forma um tanto quanto preguiçosa e patética — para não dizer mesmo coxinha — de protestar. Protesto de verdade, sempre achamos, acontecia na rua, junto com o povo, seja em mobilizações de massa, seja por meio de ação direta de grupos de ativistas.

O panelaço à brasileira, popularizado em 2015 em meio ao golpe contra Dilma Rousseff, soava não só elitista e constrangedor como também uma espécie de apropriação indevida dos “cacerolaços” argentinos de anos recentes — estes protagonizados de fato pelo povo nas ruas e não pela classe média acomodada. O panelaço, contudo (é claro) tem origem operária diretamente voltada às lutas populares e é registrado como forma de pressão, nas ruas, desde meados do século XIX.

Nestes tempos de isolamento, porém, em que protestos de rua seriam irresponsáveis, é preciso confessar: bater panelas nas janelas protestando contra os absurdos de Bolsonaro tem sido absolutamente catártico e reconfortante.


São tempos difíceis, todos sabemos. O presidente da República atenta contra a saúde pública todos os dias, seja com pronunciamentos estapafúrdios, seja com canetadas perversas. Estamos em casa e esperamos achatar a famosa curva. Enquanto não há muito mais o que fazer, olhamos para alguns dos objetos cotidianos ao nosso redor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.