o twitter protege quem compactua com violação de direitos humanos

Quem tem por hábito acompanhar o Twitter provavelmente testemunhou neste último domingo, 3 de abril de 2022, uma das mais abjetas e asquerosas atitudes por parte de um parlamentar ao manifestar-se na esfera pública: o deputado federal Eduardo Bolsonaro debochou da tortura sofrida pela jornalista Miriam Leitão durante a ditadura civil-militar brasileira — ofendendo, com isso, todos aqueles que prezam pela dignidade humana e pela salvaguarda dos direitos humanos.

Como muitos, cometi o erro de reagir ao horrendo tuíte — em situações assim, qualquer tipo de engajamento, sabemos, deveria ser evitado a fim de evitar que tal descalabro viralize. No calor do momento, contudo, foi impossível deixar de expressar a raiva que senti — raiva não só pela apologia explícita à tortura, mas uma raiva acumulada.

Raiva acumulada pelas 600 mil mortes que poderiam ter sido evitadas não fosse o comportamento negacionista, corrupto e incompetente do governo com o qual Eduardo Bolsonaro tem laços políticos e de sangue. Raiva acumulada pela agressão sistemática deste governo e desta família — notória pelos laços explícitos que ela mantém com milicianos — à Terra em que vivemos, aos povos que nela vivem há séculos e a toda sorte de minorias e grupos em vulnerabilidade social.

Em 2021 convivi com a possibilidade de perder pessoas próximas em função do negacionismo sistemático e criminoso da família Bolsonaro.

Respondi a Bolsonaro que “justiça só será feita quando a sua família estiver pendurada em praça pública.” Completei o tuíte expressando o que sinto pelos Bolsonaro: “lixo humano.”

A resposta pode ser considerada pesada por alguns — mas a raiva que sinto pela agressão sistemática dos Bolsonaro à dignidade humana é ainda mais pesada e, no calor do momento, ela falou mais alto.

o Twitter defende quem debocha da tortura

O resultado não tardou a chegar. Na manhã seguinte meu acesso ao Twitter foi interrompido. Minha conta foi suspensa. A plataforma alegou tratar-se de desvio das regras de convivência naquela rede social, já que eu teria promovido “assédio direcionado” a um indivíduo.

O tuíte original fazendo apologia explícita à tortura, contudo, permanece no ar enquanto escrevo essas palavras — dias depois do corrido. A conta do parlamentar também permanece ativa, apesar dos sistemáticos ataques à dignidade alheia e aos direitos humanos.

Só posso acreditar que o Twitter protege quem ativamente agride direitos humanos. O Twitter protege quem faz apologia à tortura. O Twitter protege quem deseja o sofrimento alheio enquanto expulsa aqueles que denunciam tais comportamentos.

E estamos apenas em abril.


Nota. Uma cópia do tuíte criminoso permanece arquivada aqui e aqui, para fins de registro para o futuro. Assim como não podemos esquecer os crimes da ditadura, não se pode eliminar registros dos crimes do período de exceção em que vivemos.

2 comentários em “o twitter protege quem compactua com violação de direitos humanos”

  1. Ódio do bem o seu né? Você pedir que uma família seja pendurada e praça pública e chamar pessoas de lixo humano é apenas “calor do momento”, “raivinha”. Afinal, você é um excelente ser humano, né?
    Gente de esquerda é patética. Seria cômica a ironia se não fosse trágica, porque gente assim vota.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.