imagens da quarentena: 25 de abril

25 de abril de 2020, trigésimo quarto dia da quarentena, quadragésimo sexto ano da Revolução

Circulou o mundo hoje a fotografia produzida por José Sena Goulão, da Agência Lusa, em que um homem solitário caminha na Avenida Liberdade, em Lisboa, carregando uma enorme bandeira portuguesa.

É 25 de abril e a Revolução dos Cravos completa 46 anos em meio à mais grave pandemia em um século. Coube aos portugueses celebrar a vitória contra o salazarismo de suas janelas e varandas. Não sei quem é este senhor, mas sabendo de todo o terror causado pelos anos de Salazar, é compreensível que tenha enfrentado os perigos do coronavírus para manifestar-se pela luta contra o fascismo.

Esta foto certamente se somará pelo seu impacto a uma outra também bastante conhecida e diretamente ligada ao contexto de abril de 1974: de autoria de Alfredo Cunha, a imagem retrata um rapaz em uma tipografia lisboeta escrevendo em uma parede a frase “Se a classe operária tudo produz, a ela tudo pertence.”

Alfredo Cunha

Não sou de celebrar nacionalismos ou patriotismos de qualquer tipo, mas confesso que invejo o potencial que a bandeira republicana de Portugal tem de se constituir em símbolo de liberdade e de luta contra o fascismo. O mesmo certamente não pode ser dito de nossa bandeira verde e amarela nem de nosso hino, tão sujos de sangue africano e indígena, da exploração de trabalhadores, tão marcados por racismo e segregação e tão sequestrados pela pior parcela — a mais racista, a mais elitista, a mais antidemocrática — de nossa população.

Em Portugal todos os anos celebra-se a vitória contra o fascismo que os trabalhadores, estudantes e as forças armadas promoveram em 1974. O lema do movimento, lembre-se, era Democracia, Descolonização e Desenvolvimento. Do lado de cá somos obrigados a tolerar manifestações pela volta de ditadura militar e em celebração de torturadores e assassinos. Que encontremos cá, em algum canto, um cheirinho de alecrim.


São tempos difíceis, todos sabemos. O presidente da República atenta contra a saúde pública todos os dias, seja com pronunciamentos estapafúrdios, seja com canetadas perversas. Estamos em casa e esperamos achatar a famosa curva. Enquanto não há muito mais o que fazer, olhamos para alguns dos objetos cotidianos ao nosso redor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.