imagens da quarentena (22/4): metrô

22 de abril de 2020, trigésimo-primeiro dia da quarentena

Já faz um mês que não pegamos o metrô, que não vivemos a cidade, que não caminhamos pelas ruas. Se, por um lado, estruturas como o metrô são provavelmente sinônimo e indício de um cotidiano duro e sofrido, ao mesmo tempo talvez tais espaços sejam também marcos de memória e de construção de subjetividades do paulistano médio. E é estranho, muito estranho, que nós nos vejamos de repente completamente apartados dessas estruturas.

Hoje soubemos que Dória — governador do estado —  e Covas — prefeito do município — cederam à pressão dos patrões paulistanos e determinaram já a abertura gradual do comércio e dos serviços na cidade. Ainda não chegamos ao pico da doença e tudo indica que a população mais pobre, mais periférica e mais explorada será a mais afetada por essa medida irresponsável.

O que fazer quando é irresponsável chamar atos de rua para protestar contra esses absurdos?


São tempos difíceis, todos sabemos. O presidente da República atenta contra a saúde pública todos os dias, seja com pronunciamentos estapafúrdios, seja com canetadas perversas. Estamos em casa e esperamos achatar a famosa curva. Enquanto não há muito mais o que fazer, olhamos para alguns dos objetos cotidianos ao nosso redor.


Imagem baseada nesta fotografia de Eli K. Hayasaka.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.