paisagem e ambiente

Não será difícil contestar que não só a pretensa objectividade da ciência é altamente falível, como o facto de a ciência da natureza não estar isenta da marca de interesse humano antropocentrado, tantas vezes mais ao serviço da economia e menos da estética. A confusão de antropocentrismo e humanismo tem sido observada por vários autores, entre os quais Yuriko Saito, que mostrou bem como as grelhas de compreensão da ciência são humanas, e que os seus resultados têm sido frequentemente armas de domínio, e não de acesso directo à realidade

Adriana Serrão. Paisagem e ambiente: uma distinção conceitual. Enharonar. Quaderns de Filosofia, 53, 2014, p. 15–28.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.