pavilhão das culturas brasileiras

pavilhão das culturas brasileiras

pavilhão das culturas brasileiras
Arquiteto Oscar Niemeyer e equipe; Palácio dos Estados (atual Pavilhão Engenheiro Armando de Arruda Pereira, sede do Pavilhão das Culturas Brasileiras); 1951–1954

•••

A estética de tipo “caricatura de pobreza” adotada pela exposição Design da periferia me incomodou, apesar do competente trabalho curatorial e da interessante iniciativa de reunir objetos e artefatos produzidos e consumidos no cotidiano ignorado pelos círculos usuais do design e das artes. A expografia acaba criando um simulacro de pobreza: tudo parece fora de lugar, ao invés de a exposição constituir-se em um conjunto de elementos dotados de força para produzir um efetivo diálogo espacial com a estética produzida dia-a-dia em nossas periferias. O diálogo, aliás, parece mesmo forçado, unilateral.

Impossível não lembrar da forma como Paulo Freire conceitua a invasão cultural: a expografia parece tratar-se mais de um olhar legitimador das elites sobre a produção estética periférica, o que não deixa de ressaltar uma relação hierárquica, ao invés de quebrá-la.

É impressionante como os objetos expostos, em toda a sua força de criação popular cotidiana (auxiliados, claro, pela curadoria cuidadosa), conseguem ser muito mais expressivos do que a cenografia criada ao redor deles.

Toda invasão sugere, obviamente, um sujeito que invade. Seu espaço histórico-cultural, que lhe dá sua visão de mundo, é o espaço de onde ele parte para penetrar outro espaço histórico-cultural, superpondo aos indivíduos deste seu sistema de valores. O invasor reduz os homens do espaço invadido a meros objetos de sua ação.
[…]
O primeiro atua, os segundos têm a ilusão de que atuam na atuação do primeiro; este diz a palavra; os segundos, proibidos de dizer a sua, escutam apalavra do primeiro. O invasor pensa, na melhor das hipóteses, sobre os segundos, jamais com eles; estes são ―pensados‖ por aqueles. O invasor prescreve; os invadidos são pacientes da prescrição.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação. Rio de Janeiro: Paz e Terra (2002), p. 42.

exposição design da periferia

exposição design da periferia

exposição design da periferia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s