política cultural e cultura política

originalmente postado em http://notasurbanas.blogsome.com/2010/04/04/joao-sayad-e-marilena-chaui-politica-cultura-e-cultura-politica/

Há algumas semanas assisti aos momentos finais de uma palestra proferida na FEA-USP pelo economista João Sayad, Secretário de Cultura do Estado de São Paulo. Defendeu-se ali uma política cultural elitista, centralizadora e paternalista — quase justificada por um certo paradigma de que o dever de uma secretaria de cultura é o de “civilizar” as bárbaras classes populares e simultaneamente promover equipamentos centrais caríssimos a serem usufruídos apenas pelas elites.

Ou seja: cultura feita de cima para baixo. Um pouquinho de Paulo Freire seria fundamental para vencer toda aquela burocracia.

A política de preservação do patrimônio, do modo como adotada pelas gestões demotucanas (no Estado e no Município), é significativa de como a esfera da cultura é usada como legitimadora de uma ação elitista e violenta do Estado sob o espaço urbano: seja demolindo quarteirões inteiros da Santa Ifigênia para promover a “Nova Luz” — pois tal tecido urbano não teria “valor histórico“, segundo a concepção de “valor histórico” das classes dominantes —, seja utilizando-se do mesmo “valor histórico” para justificar a expulsão da população moradora da Vila Itororó, por exemplo.

Durante a saudosa gestão de Luíza Erundina na Prefeitura de São Paulo (1989–1992), ocupou o cargo de Secretária de Cultura a filósofa Marilena Chauí.

Em 1991 o Departamento do Patrimônio Histórico da Secretaria de Cultura do município organizou o Congresso Internacional Patrimônio Histórico e Cidadania, evento cujo mote era o do direito à memória. Em sua fala no encerramento do Congresso, Chauí destaca o seguinte trecho do documento-base produzido pela organização do Congresso:

[…] legal e institucionalmente há o reconhecimento da necessidade de proteção aos bens culturais em diversas modalidades. Mas a aplicação desta legislação e a ação dos órgãos públicos de preservação implicam resultados diversos e suscitam reações diferentes quando aplicadas a bens móveis e imóveis. As razões para esta disparidade não são difíceis de compreender: aplicadas a bens móveis como objetos de arte, coleções de documentos privados, fotografias, mobiliário e assim por diante, a legislação de proteção ao patrimônio histórico contribui para valorizá-los ao máximo perante as leis de mercado, por significar na prática uma espécie de certificado de autenticidade e valor cultural — que, nas sociedades capitalistas, significa igualmente valor financeiro no restrito e sofisticado negócio das “antiguidades”; mas quando aplicada aos bens imóveis de significação histórica e cultural, esta mesma legislação tem sido entendida e duramente combatida entre nós como um verdadeiro atentado aos direitos de propriedade, porque significaria na prática a desvalorização de bens particulares, na maioria das vezes com alto valor monetário.

Esta disparidade caracteriza a permanente tentativa de controle das classes dominantes sobre os critérios e as práticas de preservação neste país, que se materializa por um lado pelo cultivo do consumo sofisticado e, por outro, na aposta quanto à permanência do jogo da especulação imobiliária e o lucro desenfreado como último critério no uso do solo urbano. Se em uma grande metrópole como São Paulo a preservação do patrimônio ambiental urbano imóvel encontra tantos obstáculos, desencadeia tanta discussão e dá origem a tantos protestos de proprietários e incorporadores indignados, é justamente por ser considerada antagônica aos conceitos e políticas ditadas pelos grandes especuladores e empreiteiras, que transformam a cidade de acordo com suas diretrizes privadas — e, pelo menos até aqui, com a anuência explícita ou implícita dos poderes constituídos. […]

[DPH apud Chauí, 1991, p. 38, todos os grifos são meus]

De cara apresenta-se a surpreendentemente progressista posição institucional de uma Secretaria guiada, naqueles saudosos anos de gestão Erundina, não pelos interesses das elites da cidade mas por princípios democráticos e pelo entendimento de que há uma profunda desigualdade na produção e no controle do espaço urbano. Chauí então declara (grifos meus):

A Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo estabeleceu como diretriz política a ideia e a prática da Cidadania Cultural que define a cultura como direito do cidadão e determina esse direito sob três aspectos: como direito de acesso à informação e de fruição da criação cultural; como direito de produção das obras culturais; como direito de participação nas decisões de política cultural. […]

Ao definirmos a política cultural como Cidadania Cultural e a cultura como direito, estamos operando com os dois sentidos da cultura: como um fato ao qual temos direito como agentes ou sujeitos históricos; como um valor ao qual todos têm direito numa sociedade de classes que exclui uma parte de seus cidadãos do direito à criação e à fruição das obras de pensamento e das obras de arte. Nossa política cultural tem-se proposto a enfrentar o desafio de admitir que a cultura é simultaneamente um fato e um valor, a enfrentar o paradoxo no qual a cultura é o modo de ser dos humanos e, no entanto, precisa ser tomada como um direito daqueles humanos que não podem exercer plenamente o seu ser cultural — no caso, a classe trabalhadora. A decisão de enfrentar esse paradoxo (que não existe para as classes dominantes porque para elas ser cultural e ter direito às obras culturais são uma só e mesma coisa), está consignada no cartaz e no título deste Congresso: a tomografia do cérebro mostra que a memória é um fato biológico, anatômico, fisiológico, que todos somos memoriosos e memorialistas, mas o título do congresso lembra que a memória, numa sociedade que exclui, domina, oprime, oculta os conflitos e as diferenças sob ideologias da identidade, é um valor, um direito a conquistar. Procuramos, assim, com a proposta da Cidadnia Cultural tornar inseparáveis política cultural e cultura política que buscam a democratização dos direitos. […]

Chauí, 1991, pp. 38–40

Mais adiante, em breve passagem sobre a memória, afirma:

A memória, seja como história da sociedade seja como crônica das classes sociais e de seus homens ilustres tem o papel de nos liberar do passado como fantasma, como fardo, como assombração e como repetição. […] Uma política cultural que idolatre a memória enquanto memória ou que oculte as memórias sob uma única memória oficial está irremediavelmente comprometida com as formas presentes de dominação, herdadas de um passado ignorado. Fadada à repetição e impedida de inovação tal política cultural é cúmplice do statu quo.

p. 43

Finalmente, mais adiante:

O Estado não pode colocar-se como centro de onde se define e se irradia a memória pois, ao fazê-lo, destroi a dinâmica e a diferenciação interna da memória social e política; não pode ser produtor da memória nem o definidor do que pode e deve ser preservado. […]

Numa perspectiva democrática, Mnemosyne se diz em muitos sentidos, e; particularmente, naquele que teve nas origens: desvendar o passado para reconhecer a diferença do presente e libertá-lo para inventar o futuro. Numa perspectiva socialista, História se diz em muitos sentidos e particularmente naquele que teve nas origens: compreender o passado como pressuposto do presente que o presente repõe e repete enquanto o ignorar como seu passado e que ultrapassará quando dessa compreensão nascer a prática de emancipação, que o futuro é o novo como realização das promessas não realizadas no passado nem no presente. Mnemosyne e Clio, interpretadas como pragmáticas, isto é como ligadas aos feitos do fazer humano e à esperança de reparação. Remédio e cura.

fonte: CHAUÍ, Marilena. “Política cultural, cultura política e patrimônio histórico” in DPH. O direito à memória. Patrimônio histórico e cidadania. São Paulo: PMSP, 1991. FAU 363.69–Sa63d

Talvez estejam aí as questões de base para pensar em uma política freireana de preservação do patrimônio…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s