le corbusier em pessac

Em fins da década de 1920 o arquiteto Le Corbusier foi convidado a desenhar um complexo habitacional em Pessac, ao sul da cidade francesa de Bordeaux. O projeto ficaria conhecido como Quartier Frugès ou Cité Frugès e passaria a ser lido mais tarde pela historiografia oficial como um importante momento na trajetória do mestre franco-suíço: nele teria sido possível testar o conjunto de bandeiras da nova arquitetura em um pequeno protótipo de tecido de cidade. Não surpreende, aliás, a origem do projeto: tratava-se de um “experimento” de habitação operária proposto por um membro proeminente da burguesia industrial local, Henry Fruges, o que representa bem, portanto, a idealizada e celebrada aliança entre arquitetos modernos e o poder estabelecido no capitalismo industrial do início do século. O arquiteto “excêntrico” e o burguês “visionário” são os personagens que dão o tom desta farsa, pronta para integrar qualquer manual da arquitetura do século XX.

#0579; fotografia de Alan Hasoo
Uma das residências de Le Corbusier em Pessac. Imagem de Alan Hasoo.

A farsa é tão bem montada que o seu ato derradeiro inclui interessante reviravolta. Após várias décadas de existência, o complexo corbusieriano de Pessac foi radicalmente transformado pelos seus moradores.

A imagem abaixo é reveladora da trajetória sofrida pelo conjunto.

residência projetada por le corbusier, pessac, frança
Fonte: JONES, Peter Blundell. "Sixty-eight and after" in JONES; PETRESCU; TILL. Architecture and Participation. Nova Iorque: Taylor and Francis, 2005, p 113

Mais do que a “derrota” histórica da arquitetura moderna, Pessac talvez represente seu oposto: sua vitória sutil, sua lenta integração ao cotidiano, a derradeira prova de que a casa seja de fato uma máquina de morar. A jogada do mestre (talvez algo que Corbusier viesse a explicitar décadas mais tarde, sobretudo no projeto de Argel) foi a forma como aquele fragmento de cidade moderna integrou-se ao tecido, ainda que distinguindo-se dele. Ganhou historicidade, diferente de seus contemporâneos. Talvez Corbusier estivesse pregando uma peça mesmo em seus seguidores modernos: “vejam, o que importa não é o tal ‘estilo’, afinal de contas, mas o espírito que resiste ao tempo”.

A trajetória de Pessac pode ser avaliada no livro Lived-in Architecture, de Philippe Boudon. Este artigo do New York Times de 1981 também é interessante: “Projeto habitacional de Le Corbusier — Flexível o suficiente para resistir”.

Ou talvez ele ficasse, ao contrário, furioso com as janelinhas burguesas, com a platibanda delicadamente ornada e com as floreiras simpáticas.

ps:

fonte: http://lamachineahabiter.com/aquitanis-lance-un-plan-de-renovation/
casinha em processo de "restauro" de seu exterior, fonte: http://lamachineahabiter.com/aquitanis-lance-un-plan-de-renovation/

Aparentemente a simpática casinha que tantas alterações sofreu ao longo do tempo está neste momento em processo de reforma à condição original (um falso “restauro”).

É uma pena: não tanto pelas várias questões de preservação do patrimônio moderno que isto acarreta (acredito mesmo que a maioria dos especialistas seria favorável a algum nível de retirada de adições consideradas espúreas), mas pelo total desentendimento da história das coisas que os arquitetos têm. Em meio a tantos outros exemplares cuja forma é similar à original dos anos 20, seria no mínimo interessante preservar um exemplar alterado pelo tempo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s