“arte é cultura é natureza”

Parece ser pauta comum a diferentes discursos nos anos 1960 e 1970 (alguns de ordem contracultural, outros com pretensão científica, hegemônica) a constituição de uma esfera comum entre natureza e cultura, entre o artificial e o orgnânico. É o que também sugere o depoimento abaixo. "Arte é cultura é natureza", declarara a artista Bonnie Sherk,… Continue lendo “arte é cultura é natureza”

jacques rancière: história e ficção

Alguns comentários de Jacques Rancière sobre a relação entre história, ficção e narrativa, bem como sobre os eventuais equívocos tomados desta relação. A revolução estética redistribui o jogo tornando solidárias duas coisas: a indefinição das fronteiras entra a razão dos fatos e a razão das ficções e o novo modo de racionalidade da ciência histórica.… Continue lendo jacques rancière: história e ficção

algumas palavras de adrian forty sobre as palavras na arquitetura

Ainda que o papel desempenhado pela linguagem no meio das artes visuais tenha sido questionado em tempos recentes, assim como dúvidas tenham sido pronunciadas a respeito da crença modernista de que uma arte possa ser puramente visual, nada comparável acontecera no âmbito da arquitetura. Mesmo que de fato a questão seja eventual objeto de reflexão,… Continue lendo algumas palavras de adrian forty sobre as palavras na arquitetura

máquinas cnc

Breve comentário do professor britânico de arquitetura Jeremy Till sobre a moda da fabricação digital. Acho que eu também seja um ludita… Início do novo milênio. Blobs convivem conosco mas já começam a parecer cansados. Com o dobro de velocidade ganho anualmente nos computadores, ganha-se também um igual dobro anual de complexidade formal. Novas morfologias… Continue lendo máquinas cnc

arquitetura e escravidão

Recentemente veio a público o dado de que o número de pessoas resgatadas de situação análoga à escravidão em áreas urbanas já excede aquele em áreas rurais. Não há com que se surpreender com isto, infelizmente, dada a intensa segregação social e elitismo que caracterizam o país — que já é urbano há tempos. A… Continue lendo arquitetura e escravidão

paisagens simmelianas

Seguem algumas anotações sobre a forma como Georg Simmel mobiliza o conceito de paisagem em seu texto Filosofia da paisagem, publicado originalmente em 1913. Outros aspectos do mesmo texto já foram destacados aqui: arte, ciência, religião. Todas as citações são desta edição, disponível na rede: SIMMEL, Georg. [1913] A filosofia da paisagem. Covilhã: LusoSofia Press,… Continue lendo paisagens simmelianas

filosofia da paisagem: arte, ciência, religião

No contexto do grupo de pesquisa Paisagem, Cultura e Participação Social do Núcleo de Estudos da Paisagem (FAUUSP), li recentemente o texto Filosofia da paisagem, escrito por Georg Simmel em 1913. Era-me algo completamente inédito: eu conhecia Simmel apenas e grosseiramente como um dos pais da sociologia urbana, sobretudo por conta de seus textos sobre… Continue lendo filosofia da paisagem: arte, ciência, religião

o pesquisador contingente

Passagem do livro Architecture Depends, de Jeremy Till, citado na postagem anterior, sobre a necessidade do pesquisador incorporar a contingência em seu trabalho: Acadêmicos vivem com medo de serem pegos — "Mas como você pode levar isto a sério, ele/ela não leu XYZ" — então empregam variadas estratégias de gestão de risco. Uma delas é… Continue lendo o pesquisador contingente

ainda le corbusier em pessac: "necessidade" e "função"

Jeremy Till, arquiteto e professor britânico, tece algumas breves considerações sobre a Cité Frugès, projeto de Le Corbusier em Pessac, Bourdeaux (França) que já havia sido comentado aqui: Em sua meticulosa documentação da moradia em Pessac, Philippe Boudon argumenta que a combinação do projeto original de Le Corbusier com as irrepreensíveis tendências “faça-você-mesmo” de parte… Continue lendo ainda le corbusier em pessac: "necessidade" e "função"