bruno latour: dinâmica sociedade/natureza

Um dos trechos mais interessantes do clássico Jamais fomos modernos, de Bruno Latour: A potência da crítica Hoje, quando as capacidades críticas dos modernos se esgotam, é conveniente medir, pela última vez, sua prodigiosa eficácia. Liberados da hipoteca religiosa, tornaram-se capazes de criticar o obscurantismo dos antigos poderes ao desvelarem os fenômenos naturais que estes… Continue lendo bruno latour: dinâmica sociedade/natureza

drop art, c. 1962

Seguem alguns trechos dos depoimentos de Clark Richert e Gene Bernofsky a Mark Matthews, publicados no livro-reportagem Droppers: America's First Hippie Community. Richert e Bernofsky, artistas e personagens da contracultura norte-americana, foram alguns dos criadores de Drop City, considerada a primeira de várias comunidades hippies alternativas que se instalariam no Sudoeste estadunidense ao longo dos anos 1960 e 70.

algumas palavras de adrian forty sobre as palavras na arquitetura

Ainda que o papel desempenhado pela linguagem no meio das artes visuais tenha sido questionado em tempos recentes, assim como dúvidas tenham sido pronunciadas a respeito da crença modernista de que uma arte possa ser puramente visual, nada comparável acontecera no âmbito da arquitetura. Mesmo que de fato a questão seja eventual objeto de reflexão,… Continue lendo algumas palavras de adrian forty sobre as palavras na arquitetura

le corbusier e o trabalho

Le Corbusier, como se sabe, impressionou-se com o poder de planificação da então jovem União Soviética e com o papel destinado à construção de novas cidades e de novas estruturas produtivas no processo de desenvolvimento do país. O trecho que vai abaixo é extraído do texto "Atmosfera moscovita" (publicado como apêndice às Precisões sobre um… Continue lendo le corbusier e o trabalho

paulo freire: ontologicamente esperançoso

Trecho instigante da Pedagogia da autonomia. Continuemos a pensar um pouco sobre a inconclusão do ser que se sabe inconcluso, não a inconclusão pura, em si, do ser que, no suporte, não se tornou capaz de reconhecer-se interminado. A consciência do mundo e a consciência de si como ser inacabado necessariamente inscrevem o ser consciente… Continue lendo paulo freire: ontologicamente esperançoso