imagens da quarentena (30/3): nintendo switch

30 de março, oitavo dia da quarentena Embora seja um jogador bastante casual, tenho há pouco mais de dois anos um console da linha Nintendo Switch em casa. Curiosamente, apesar do maior tempo em casa em período de quarentena, ainda sequer tive tempo nos últimos dias de ligá-lo. O Switch tem algo de ornitorrinco, acho.… Continue lendo imagens da quarentena (30/3): nintendo switch

o iPhone no museu

Em meados do ano passado, num desses sítios de compra e venda de material usado na internet, cruzei com a oferta de um iPhone de primeira geração por um preço bastante atraente. Trata-se da edição do aparelho considerada a "original", de 2007, apelidada pelos seus entusiastas de "iPhone 2G" — já que apenas o modelo… Continue lendo o iPhone no museu

fuller, o memorioso

Buckminster Fuller é desses personagens tradicionalmente apresentados como a caricatura de si mesmos. Self-made man quintessencial, inventor excêntrico, projetista ao mesmo tempo ousado e pragmático, Fuller é usualmente tido como alguém "à frente de seu tempo" — ainda que, de fato, seja plenamente condizente com ele —, lembrado por hábitos pouco usuais e pelos objetos… Continue lendo fuller, o memorioso

brasil, uma marca

Jair Bolsonaro anunciou no dia 4 de janeiro a nova marca do governo federal. Parece ser um hábito peculiarmente brasileiro o de construir identidades visuais específicas para o governo da vez: ao contrário de outros países, nos quais cada poder e instância do Estado define um sistema perene e consistente de comunicação visual, nossos gestores… Continue lendo brasil, uma marca

sobre a exposição “steve jobs, o visionário”

Em janeiro de 2015 visitei pela primeira vez o Museu da Cidade de Nova Iorque. Trata-se sem dúvidas de um excelente museu: apesar de pequeno, possui boas curadorias, expografias bem produzidas e um manejo engenhoso dos recursos que aparenta ter disponíveis, certamente mais modestos que os dos demais espetaculares museus novaiorquinos. Algo em uma de… Continue lendo sobre a exposição “steve jobs, o visionário”

califórnia, 1971: whole earth catalog em produção

Seguem algumas raras imagens dos processos de concepção e produção do periódico Whole Earth Catalog, filmadas na Califórnia, em 1971, pelo seu editor Stewart Brand. Entre as imagens, encontram-se momentos de construção dos lendários domos geodésicos fullerianos adorados pela cultura hippie do período, assim como das estruturas infláveis utilizadas pelo coletivo Ant Farm. O vídeo… Continue lendo califórnia, 1971: whole earth catalog em produção

frank lloyd wright, designer gráfico

O material gráfico produzido por Frank Lloyd Wright e pelo seu escritório sempre me fascinou: desde seus desenhos e perspectivas peculiares e dotados de uma linguagem própria até a caligrafia característica adotada. Seu jeito elegante, por exemplo, de traçar os letreiros de seus desenhos — meio art déco, meio arts & crafts, mas ainda assim… Continue lendo frank lloyd wright, designer gráfico

helvetica e borracha

De uma única vez, na fotografia abaixo, desaparecem dois dos referenciais visuais mais significativos do Metrô de São Paulo: de um lado, o famoso piso de borracha preto que acompanhou seus usuários durante algumas décadas, substituído por placas de granito cinza. De outro lado, no letreiro branco, desaparece a usual Helvetica, trocada desajeitadamente pela Arial.… Continue lendo helvetica e borracha

guy debord sobre steve jobs, o facebook e o star system

1. Nas sociedades onde reinam as modernas condições de produção, a vida aparece como uma imensa acumulação de espetáculos. Tudo que era antes diretamente vivido reduziu-se a representação. […] 4. O espetáculo não é uma coleção de imagens; ele é uma relação social entre pessoas mediada por imagens. 34. O espetáculo é capital acumulado a… Continue lendo guy debord sobre steve jobs, o facebook e o star system